Poucas reflexões sobre o mal…

Marisa e neto

“Desde que alberguemos uma única vez o mal, este não volta a dar-se ao trabalho de pedir que lhe concedamos a nossa confiança”
(Franz Kafka)

Percebi que ando meio angustiado, mas essa angústia não se materializa em depressão. Na verdade, ela é filosófica e existencial. A angústia vem da sensibilidade que tenho para ver, perceber e sentir. E esse mundo, essas relações, esse ódio e essa toxicidade dos dias atuais estão me causando isso. A bestialidade tomou conta de tudo. O pensar sucumbiu. A alteridade foi assassinada. O humanismo vem sendo apunhalado. Tudo isso vem acontecendo em decorrência de pautas ideológicas rasteiras e primitivas. Mais do que selvagens, nós, humanos, estamos nos tornando abomináveis. Consequentemente, o ódio e o mal tendem a prevalecer. Desejar o pior para o que difere de nós está sendo a regra. Em essência, o mal, de fato, está prevalecendo. Numa sociedade, permeada pelos ditos “homens de bem”, a maldade dá as cartas. Mas, homens bons podem ser maus? Passei, infelizmente, a acreditar que somos, em tese, maus e que, às vezes, temos lampejos de bondade. Ou seja, a bondade não é a regra. Alguns poucos são mais iluminados e carregam constantemente, dentro do coração, a alteridade e a caridade, contudo a grande maioria é a mesma coisa – humanos à espreita para liberar a própria maldade. É assim que está sendo os dias de hoje. Talvez, sempre tenha sido assim, porém, de alguma forma, eu buscava negar e contemporizar. Quem sabe isso permitia que eu vivesse sem ter essas angústias que descrevi. Todavia, agora, não tenho mais como negar a realidade. Não aceito ficar dentro dessa Matrix. O que é, será. Assim, será! Meus sentidos estão aguçados e, sem paranoia, tento abafar qualquer mal que tenda a brotar de mim e começo a perceber o mal naqueles que me rodeiam. Só tem um jeito de se proteger desse mal – propagar o bem. Incorporar ativamente o amor, a alteridade, o humanismo e a caridade. Tudo de forma discreta, visto que, aquele que faz isso, sob a luminosidade de holofotes, não o faz por que quer, mas sim pela vaidade e pela necessidade de aparecer. Enfim, a maldade está presente. Ela está espalhada. Ela está ao seu lado. Ela está nas pessoas que você considerava. Ela está em ti. Ela está em mim…

Régis Eric Maia Barros

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>